11 maio, 2010

A Letter


Tive tanto medo, medo de me precipitar e dizer 'eu te amo' cedo demais.
Tive medo de fazer algo errado e por isso deixei de fazer.
Tive medo de te perder e eu perdi.


Esperei tanto tempo. Esperei ter certeza do que sentia, esperei o tempo certo.
A certeza chegou, mas chegou quando eu já não tinha mais você.
POR QUÊ? Porque você esperou eu ter certeza de que te amava para me deixar sem chão?
Antes, antes de ter certeza sonho com você eram raros, os pensamentos já eram á todo momento, mas não tão profundo quanto agora. Sonho com você todos os dias, a cada palavra lembro-me de suas besteiras faladas, de seu senso de humor único e especial.
O mundo hoje só gira em volta de ti, mas você não está mais ali. Há um vácuo, um espaço vazio, AR!
Foi tudo tão rápido, num momento você estava lá, dizendo entre linhas o que eu mais queria ouvir neste momento. Deixava-me louca com os subentendidos, me fazia ir longe.
Parece que fui longe demais, e você soube frear. Quem dera eu tivesse essa sorte.
Agora to aqui, escrevendo coisas para mim mesma, chorando ao ouvir coisas nossas, nossos papos mongóis. COMO ISSO ME FAZIA BEM.
As frases que me dizia sei de cor, elas me fazem arrepiar e gotas de água salgadas escorrerem pelo meu rosto.
Estou aqui sofrendo e tendo a certeza que te amo, do que me vale isso agora?
É como se tivessem me tirado algo que me mantivesse viva.
Eu tenho segurado as lágrimas e tentado ao máximo não demonstrar emoção, mas é que as vezes escapa.

Me desculpa por isso.

2 comentários:

Plinio H. disse...

éééé eu acho q fui o unico q leu essa parte... =]
pelo menos eu li =]

Carol Schuenck disse...

Obg Plinio, vc entra no meu blog todo santo dia (:
obg obg !