13 março, 2017

Golpe perfeito, eles dizem


Sabe quando você leva aquele ippon e parece que seus órgãos se misturam por dentro? 


Eu não sei como é quando acontece por um ippon, mas pelo o que ela me contou do mesmo jeito várias vezes é algo bem parecido com o que eu sinto quando a saudade dela aperta doída. Aperta tão, mas tão, mas tão forte que parece que os órgãos se misturam. Não é a toa que um ippon ganha tudo. 

Eu não sei lutar judô, muito menos dar um golpe perfeito. Na verdade eu sou bem ruim em combates, não saio perdendo porque de alguma forma a gente transforma em adubo toda a merda e volta crescer logo depois que os órgãos se reorganizam dentro da gente.

Eu sei que não queria que fosse assim e é óbvio que eu também não, mas me dói a cólica mais profunda. Aquela que a gente encolhe pra aguentar a dor até que passe. Antes eu chamava de soco no estômago cada porrada dessas, hoje eu imagino que deve ser mais como um ippon. 
Posso ter certeza disso quando lembro dela com todos seus gestos e gírias características explicando sempre da mesma maneira como é a sensação de levar um golpe perfeito; eu assistia tudo atentamente enquanto levava um desses.